domingo, 31 de outubro de 2010

Festa do Dia das Crianças em Torres Galvão I





No dia 16.10.2010 foi realizado na congregação em Torres Galvão I, a comemoração do dia das crianças, este evento organizado pelo departamento Infantil , Circulo de oração e Projeto Criança paz com Cristo(UMADALPE) teve também o apoio de toda congregação que através de um arvore com os nomes de todas as crianças tiveram a oportunidade de adotar para oferecer um presente, como também colaborou com doações de Confeitos e comidas.






O evento teve inicio ás 13:30 com o circulo de oração onde os pequeninos tiveram a oportunidade de agradecer a Deus, e a partir das 14:30 comemoraram com Brincadeiras, culinária para os pequeninos onde aprenderam a fazer bolinhas de Brigadeiro e Beijos e se lambuzaram todos.






Algumas crianças foram entrevistadas em relação ao que acharam da festa:

Isaac Matheus - 10 Anos

UMADALPE News - Isaac, o que você achou da festa do dia das Crianças?
Isaac Matheus - Foi muito boa, achei muito legal.
UMADALPE News - e sobre as brincadeiras, como e que foi para você as brincadeiras?
Isaac matheus - Ótimas, muito interessantes, brinquei em muitas brincadeiras de pescaria, teve de colocar argola e de pular corda e varias.
UMADALPE News - O que você achou das comidas e da organização?
Isaac Matheus - Muito boa, teve muita comida, coxinha, bastante coxinha, muito bolo, algodão doce, pipoca, salgadinho, pirulito, chocolate e muitas coisas.
UMADALPE News - E os presentes você gostou, vocês receberam como e que foi?
Isaac Matheu - muito boa gostei muito, teve a arvore que doou as crianças para dá presente, muito boa gostei muito.







Evellyn Ellen - 5 Anos


UMADALPE News - O que você achou da festa dos dias das crianças Evellyn?.
Evellyn - Muito boa
UMADALPE News - Em relação as brincadeiras qual foi a brincadeira que mais lhe chamou atenção?
Evellyn - Pular corda
UMADALPE News - Nas Crianças menores vocês tiveram uma Oficina de arte e culinaria, como e que foi?
Evellyn - Muito boa, a gente se melou, a gente comeu brigadeiro e docinho fez beijinho, foi muito bom.
UMADALPE News - Se melaram de que?, Lama?, arreia?, O que tinha para vocês se melarem?
Evellyn - Brigadeiro e beijinho
UMADALE News - O que vocês fizeram depois com estes brigadeiros e beijinhos?
Evellyn - A gente comeu

Alguns pais também estiveram presentes acompanhando este momento feliz dos seus filhos.



Deus abençoe a todos que colaboraram com todos os acontecimentos narrado nesta postagem, foram pessoas que se doaram e batalharam bastante para tornar esta tarde inesquecível para os pequeninos, a todos os que colaboraram com os presentes, confeitos, bolo e com o seu tempo dedicado neste evento, Ao Pastor Daniel e Irmã Ivani sua esposa por todo o apoio.



Tivemos também a colaboração de:




sábado, 30 de outubro de 2010

Edir Macedo," filho é maldição;estou com Dilma" "Aborto Já"

Doe no coração saber que existem pessoas que querem tomar a posição de Deus, só ele tem direito de retirar uma vida, O Rei Uzias foi grandemente abençoado por Deus, mas chegou um tempo em que exaltou o seu coração a ponto achar que poderia tomar o lugar dos sacerdotes instituídos por Deus, e quis queimar incenso no altar do incenso, e foi ferido com lepra, temos que ficar atentos pois a Bíblia diz em II Pedro 2:1,2
“E também houve entre o povo falsos profetas, como entre vós haverá também falsos doutores, que introduzirão encobertamente heresias de perdição, e negarão o Senhor que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina perdição.
E muitos seguirão as suas dissoluções, pelos quais será blasfemado o caminho da verdade.
E por avareza farão de vós negócio com palavras fingidas; sobre os quais já de largo tempo não será tardia a sentença, e a sua perdição não dormita.”

Luciano Leça

Propaganda perde protagonismo para imprensa e internet

A estratégia autônoma das campanhas presidenciais para o horário eleitoral, neste ano, durou duas semanas.

Começou com a onipresença de Lula, vinculado nos programas tanto a Dilma Rousseff quanto a José Serra.



Em pouco tempo se evidenciou a ampla transferência de votos para a primeira, e o jogo mudou. O tucano passou a vincular a petista a José Dirceu e ao mensalão.

A partir de setembro, as duas campanhas foram levadas a reboque pela cobertura dos escândalos, a primeira procurando responder, a segunda buscando potencializar. A quebra do sigilo fiscal da filha de Serra marcou a mudança. E a resposta de Dilma veio por meio de Lula.

Mas foi limitado o efeito desta primeira "bala de prata", com as pesquisas apontando alta da petista.

A segunda não demorou, com o escândalo da Casa Civil, que facilitou a vinculação com Dilma, em inserção tucana que a associava a Erenice Guerra e Dirceu.

Já era evidente que tanto na cobertura como na propaganda a campanha passaria ao largo de propostas de governo, temas econômicos etc. O conflito passou a ser aberto, entre tucanos e petistas, e caracterizado por choques dramáticos medidos em pesquisas qualitativas.

De sua parte, correndo em raia própria e com pouco tempo de TV, Marina Silva atravessou o primeiro mês de propaganda sem sair do lugar. Até que a queda de Erenice, no dia 17 de setembro, rompeu as defesas de Dilma, e ela começou a cair nas pesquisas. E Marina a subir.

Entrou em cena, para além dos escândalos, da cobertura tradicional e do próprio horário eleitoral, o movimento evangélico não identificado em pesquisas quantitativas e qualitativas, impulsionando a candidata evangélica e trazendo à tona o temor de liberalização do aborto.

Em pouco tempo, Marina ultrapassou o tucano em intenções de voto no Rio. E este respondeu na TV com o pastor Silas Malafaia, que mudou de lado e passou a atacar a ex-petista violentamente, procurando vinculá-la ao aborto e defendendo o voto evangélico em Serra.

Mas era Dilma quem mais perdia com o tema. E o aborto, que marcou o final do primeiro turno, avançou pelo segundo, como prioridade maior nos programas dos dois candidatos que avançaram --e com a entrada em cena da Igreja Católica, buscando disputar a bandeira com os evangélicos.

A pausa na artilharia tucana, após reportagem sobre relatos de que Mônica Serra teria feito aborto no Chile, durou pouco. E ontem, encerrando a propaganda no rádio, o próprio José Serra voltou à carga, explorando a "palavra de amor à vida" lançada pelo papa Bento 16 a três dias da eleição.

Na campanha, o horário eleitoral perdeu protagonismo, primeiro para a cobertura, depois para a religião, com voz própria na internet.



Fonte: Folha.com  -  
http://www1.folha.uol.com.br/poder/822740-propaganda-perde-protagonismo-para-imprensa-e-internet.shtml


Evangélicos são os vencedores da eleição


O jornal “The Wall Street Journal Americas” constatou que “as eleições brasileiras já têm um vencedor: os evangélicos”.

O jornal “The Wall Street Journal Americas”, uma versão do diário nova-iorquino voltada para a América Latina, debruçou-se sobre pesquisas eleitorais e constatou que “as eleições brasileiras já têm um vencedor: os evangélicos”.

Segundo a reportagem, publicada em espanhol, dados de levantamento Datafolha mostram que, “no dia da eleição [no primeiro turno], cerca de um milhão de eleitores abandonaram Dilma Rousseff (PT) por razões religiosas”. Ainda, outros três milhões citaram como motivo da mudança do voto acusações de corrupções envolvendo Erenice Guerra, ex-ministra da Casa Civil, sucessor da petista no cargo.

O jornal reconhece que “muitos eleitores evangélicos, que normalmente provêm da classe operária, apoiam Dilma por motivos econômicos. Confiam em seu esquerdista Partido dos Trabalhadores por prover serviços em suas regiões há muito tempo descuidadas”.

No entanto, na medida em que as propostas de Dilma e José Serra (PSDB) para as áreas econômica e social se apresentam de forma similar, na opinião da reportagem, os eleitores passaram a se preocupar com possíveis diferenças apresentadas em relação temas de caráter moral, como o aborto e a união de homossexuais.

Outro ponto a fato dos evangélicos é o aumento do número de representantes no Congresso. “Este ano foi um ponto de inflexão: candidatos que se definem como protestantes ganharam 50% mais cadeiras, 71 de quase 600 em disputa”.

Aborto


É verdade que muitos evangélicos se posicionaram contra Dilma depois que os assuntos aborto e união entre homossexuais entrou na agenda eleitoral. Mas há outros três fatos que o “Wall Street Journal Americas” não cita.

Primeiro, o de que expoentes da Igreja Católica e do espiritismo também criticaram a candidata petista, direta ou indiretamente. D. Luiz Gonzaga Bergonzini, bispo diocesano de Guarulhos (SP), disse que o PT é “o partido da morte” porque, segundo ele, “aceita o aborto até o nono mês de gravidez”. A Polícia Federal chegou a confiscar, por ordem do Tribunal Superior eleitoral, 1 milhão de folhetos ligados a essa questão, acolhendo ação do PT.

Dias depois, o Papa Bento XVI “entra na campanha no Brasil”, como disse o “Jornal da Tarde“. O pontífice divulgou carta na qual orienta bispos brasileiros a pregarem contra candidatos que são a favor do aborto.

Entre os espíritas, o dirigente espiritual Bezerra de Menezes – já falecido – teria pedido ao Centro Espírita Perseverança, por meio de um médium, a convocação dos 5.500 colaboradores para uma reunião pró-Serra, segundo a coluna Direto da Fonte, de Sonia Racy, do “Estadão”.

O segundo fato não citado pelo “Journal” é o de que a discussão sobre aborto atingiu não somente Dilma, mas também Serra. A jornalista Mônica Bergamo publicou na “Folha de S.Paulo” reportagem em que ex-alunas de Mônica Serra, mulher do tucano, afirmam que a tutora contou, em aula, ter feito aborto quando vivia no Chile. A campanha do candidato nega.

Outro fato que o “Journal” ignora é o de que, mesmo entre evangélicos, há divergências em relação a apoiar ou não Dilma por causa da questão do aborto. O bispo Edir Macedo, por exemplo, distribuiu exemplares do jornal “Folha Universal”, da Igreja Universal do Reino de Deus, com reportagens defendendo Dilma e atacando a Igreja Católica e Serra, acusando a campanha tucana de radicalizar a discussão religiosa para angariar votos.

Fonte: Estadão



Lula responde declaração do papa e afirma que o Brasil é um país laico


“Não vi nenhuma novidade na declaração do papa, este é o mesmo comportamento da Igreja Católica desde que ela existe”, disse o presidente.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva comentou nesta sexta-feira (29) a declaração do papa Bento XVI sobre o aborto. Lula disse que o brasileiro tem o direito de manifestar suas convicções e que “este é um país democrático e laico, portanto as pessoas têm o direito de se manifestar da forma que quiserem”.

O pontífice declarou que é dever dos bispos brasileiros intervir na campanha política para condenar o aborto. “Não vi nenhuma novidade na declaração do papa, este é o mesmo comportamento da Igreja Católica desde que ela existe”, declarou o presidente.

Campanha eleitoral


O presidente criticou ainda o baixo nível dacampanha eleitoral e declarou que a candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, foi vítima de preconceito por ser mulher. “Fico triste porque a campanha teve um nível muito baixo”, disse em entrevista coletiva concedida logo após visitar o Salão Internacional do Automóvel, na capital paulista. “Eu acho que a candidata Dilma foi vítima de preconceitomais uma vez mostrado de forma arraigada contra a mulher brasileira.”

Após criticar a condução do processo eleitoral, o presidente aproveitou a oportunidade para convocar os eleitores a comparecem às urnas neste domingo (31), além de ressaltar a consolidação da democracia brasileira. “A única coisa que posso pedir ao povo brasileiro é que no domingo compareça para votar. De qualquer forma, acho que o Brasil vai dar uma demonstração de consolidação de sua democracia.”

Fonte: Folha Gospel -
http://www.folhagospel.com/modules/news/article.php?storyid=15601



Papa condena aborto e pede a bispos do Brasil que orientem politicamente fiéis


O Papa Bento XVI afirmou nesta quinta-feira que católicos devem 'usar o próprio voto para a promoção do bem comum'

Em reunião em Roma na manhã desta quinta-feira, 28, o papa Bento XVI conclamou um grupo de bispos brasileiros a orientar politicamente fiéis católicos.

Sem citar especificamente as eleições de domingo, o papa reforçou a posição da Igreja a respeito do aborto e recomendou a defesa de símbolos religiosos em ambientes públicos. "Quando projetos políticos contemplam aberta ou veladamente a descriminalização do aborto, os pastores devem lembrar os cidadãos o direito de usar o próprio voto para a promoção do bem comum", disse.

Falando a bispos do Maranhão, Bento XVI reconheceu que a participação de padres em polêmicas podem ser conturbadas. "Ao defender a vida, não devemos temer a oposição ou a impopularidade", continuou. O pontífice se posicionou também sobre o ensino religioso nas escolas públicas e, relembrando a história do País com forte presença católica e o monumento do Cristo Redentor, no Rio, orientou os sacerdotes que encampem a luta pelos símbolos religiosos. "A presença de símbolos religiosos na vida pública é ao mesmo tempo lembrança da transcendência do homem e garantia de seu respeito", concluiu.

No discurso, o Papa também condenou a eutanásia, classificando a luta contra a prática como um pré-requisito para a "defesa dos direitos humanos políticos". "Seria totalmente falsa e ilusória qualquer defesa dos direitos humanos políticos, econômicos e sociais que não compreendesse a enérgica defesa do direito à vida desde a concepção até à morte natural."

Polêmica


O aborto e a questão religiosa se tornaram temas importantes na disputa entre os presidenciáveis José Serra (PSDB) e Dilma Rousseff (PT), com trocas de acusações de ambos os lados. A disseminação de e-mails dando conta de que, no passado, a candidata petista defendeu a descriminalização da prática é apontada como um dos motivos para o fato de ela não ter vencido já no primeiro turno.

Setores da Igreja Católica, como a diocese de Guarulhos, chegaram a divulgar notas incitando os fiéis a não votar em candidatos que apoiem o aborto, e com críticas à candidatura Dilma. No último dia 17, a guerra santa acabou virando assunto de polícia depois que a PF atendeu liminar do TSE e apreendeu numa gráfica de São Paulo panfletos encomendados pela diocese, que caracterizaram propaganda eleitoral irregular. O PT acusa o PSDB pela impressão do material, uma vez que a proprietária da gráfica é irmã de um dos coordenadores da campanha de Serra.

Os dois candidatos se declaram contra o aborto e dizem que não pretendem mexer na legislação em vigor sobre o tema no Brasil.

Leia abaixo a íntegra do discurso de Bento XVI:

"Amados Irmãos no Episcopado,

Para vós, graça e paz da parte de Deus, nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo" (2 Cor 1, 2). Desejo antes de mais nada agradecer a Deus pelo vosso zelo e dedicação a Cristo e à sua Igreja que cresce no Regional Nordeste 5. Nos nossos encontros, pude ouvir, de viva voz, alguns dos problemas de caráter religioso e pastoral, além de humano e social, com que deveis medir-vos diariamente. O quadro geral tem as suas sombras, mas tem também sinais de esperança, como Dom Xavier Gilles acaba de referir na saudação que me dirigiu, dando livre curso aos sentimentos de todos vós e do vosso povo.

Como sabeis, nos sucessivos encontros com os diversos Regionais da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, tenho sublinhado diferentes âmbitos e respectivos agentes do multiforme serviço evangelizador e pastoral da Igreja na vossa grande Nação; hoje, gostaria de falar-vos de como a Igreja, na sua missão de fecundar e fermentar a sociedade humana com o Evangelho, ensina ao homem a sua dignidade de filho de Deus e a sua vocação à. união com todos os homens, das quais decorrem as exigências da justiça e da paz social, conforme à sabedoria divina.

Entretanto, o dever imediato de trabalhar por uma ordem social justa é próprio dos fiéis leigos, que, como cidadãos livres e responsáveis, se empenham em contribuir para a reta configuração da vida social, no respeito da sua legítima autonomia e da ordem moral natural (cf. Deus caritas est, 29). O vosso dever como Bispos junto com o vosso clero é mediato, enquanto vos compete contribuir para a purificação da razão e o despertar das forças morais necessárias para a construção de uma sociedade justa e fraterna. Quando, porém, os direitos fundamentais da pessoa ou a salvação das almas o exigirem, os pastores têm o grave dever de emitir um juízo moral, mesmo em matérias políticas (cf. GS, 76).

Ao formular esses juízos, os pastores devem levar em conta o valor absoluto daqueles preceitos morais negativos que declaram moralmente inaceitável a escolha de uma determinada ação intrinsecamente incompatível com a dignidade da pessoa; tal escolha não pode ser resgatada pela bondade de qualquer fim, intenção, consequência ou circunstância. Portanto, seria totalmente falsa e ilusória qualquer defesa dos direitos humanos políticos, econômicos e sociais que não compreendesse a enérgica defesa do direito à vida desde a concepção até à morte natural (cf. Christifideles laici, 38). Além disso no quadro do empenho pelos mais fracos e os mais indefesos, quem é mais inerme que um nascituro ou um doente em estado vegetativo ou terminal? Quando os projetos políticos contemplam, aberta ou veladamente, a descriminalização do aborto ou da eutanásia, o ideal democrático - que só é verdadeiramente tal quando reconhece e tutela a dignidade de toda a pessoa humana - é atraiçoado nas suas bases (cf. Evangelium vita, 74). Portanto, caros Irmãos no episcopado, ao defender a vida não devemos temer a oposição e a impopularidade, recusando qualquer compromisso e ambiguidade que nos conformem com a mentalidade deste mundo" (ibidem, 82).

Além disso, para melhor ajudar os leigos a viverem o seu empenho cristão e sociopolítico de um modo unitário e coerente, é "necessária - como vos disse em Aparecida - uma catequese social e uma adequada formação na doutrina social da Igreja, sendo muito útil para isso o "Compêndio da Doutrina Social da Igreja"" (Discurso inaugurai da V conferência Geral do Episcopado Latino Americano e do Caribe, 3). Isto significa também que em determinadas ocasiões, os pastores devem mesmo lembrar a todos os cidadãos o direito, que é também um dever, de usar livremente o próprio voto para a promoção do bem comum (cf. GS, 75).

Neste ponto, política e fé se tocam. A fé tem, sem dúvida, a sua natureza específica de encontro com o Deus vivo que abre novos horizontes muito para além do âmbito próprio da razão. "Com efeito, sem a correção oferecida pela religião até a razão pode tornar-se vítima de ambiguidades, como acontece quando ela é manipulada pela ideologia, ou então aplicada de uma maneira parcial, sem ter em consideração plenamente a dignidade da pessoa humana" (Viagem Apostólica ao Reino Unido, Encontro com as autoridades civis, 17-IX-2010).

Só respeitando, promovendo e ensinando incansavelmente a natureza transcendente da pessoa humana é que uma sociedade pode ser construída. Assim, Deus deve "encontrar lugar também na esfera pública, nomeadamente nas dimensões cultural, social, econômica e particularmente política" (Caritas in veritate, 56). Por isso, amados Irmãos, uno a minha voz à vossa num vivo apelo a favor da educação religiosa, e mais concretamente do ensino confessional e plural da religião, na escola pública do Estado.

Queria ainda recordar que a presença de símbolos religiosos na vida pública é ao mesmo tempo lembrança da transcendência do homem e garantia do seu respeito. Eles têm um valor particular, no caso do Brasil, em que a religião católica é parte integral da sua história. Como não pensar neste momento na imagem de Jesus Cristo com os braços estendidos sobre a baia da Guanabara que representa a hospitalidade e o amor com que o Brasil sempre soube abrir seus braços a homens e mulheres perseguidos e necessitados provenientes de todo o mundo? Foi nessa presença de Jesus na vida brasileira, que eles se integraram harmonicamente na sociedade, contribuindo ao enriquecimento da cultura, ao crescimento econômico e ao espírito de solidariedade e liberdade

Amados Irmãos, confio à Mãe de Deus e nossa, invocada no Brasil sob o título de Nossa Senhora Aparecida, estes anseios da Igreja Católica na Terra de Santa Cruz e de todos os homens de boa vontade em defesa dos valores da vida humana e da sua transcendência, junto com as alegrias e esperanças, as tristezas e angústias dos homens e mulheres da província eclesiástica do Maranhão. A todos coloco sob a Sua materna proteção, e a vós e ao vosso povo concedo a minha Bênção Apostólica."


Aborto marcou a agenda Brasil-Santa Sé


A relação entre o papa Bento XVI e o governo brasileiro nos últimos anos foi marcada pelas diferenças em torno da questão do aborto. Em diversas reuniões com bispos brasileiros, em encontros com embaixadores do País e mesmo com ministros, o Vaticano deixou claro que não quer ver o maior país católico do mundo aprovando leis que autorizariam o aborto.

Há um ano, Bento XVI se reuniu com o embaixador do Brasil perante a Santa Sé, Luis Felipe de Seixas Corrêa, e pediu que a proibição ao aborto, à eutanásia e às pesquisas com células-tronco embrionárias fosse mantida.

Ele apelou para que o governo "fomente os valores humanos fundamentais, a família e a proteção do ser humano desde o momento de sua concepção até a morte natural" e exigiu "respeito nos experimentos biológicos".

Mas um dos momentos de maior tensão ocorreu durante a visita do papa ao Brasil, em 2007. A polêmica foi lançada já no próprio voo entre Roma e São Paulo. Ele disse que deputados, senadores e políticos que votassem a favor de uma proposta de lei do aborto estariam se autoexcluindo da comunidade católica. Para o pontífice, apoiar tal lei é sinal de "egoísmo".

Excomunhão. Voando a 11 mil metros sobre o Saara, o papa deixou seus aposentos no avião para conversar com os jornalistas. Ao responder a uma questão relativa à decisão de bispos no México de declarar que os deputados que votaram por uma lei a favor do aborto seriam automaticamente excomungados, o papa deu claros sinais de apoio à decisão e ainda apontou para o Brasil.

"Essas excomunhões não são arbitrárias, mas previstas no Código (Canônico). O direito de matar um inocente, uma criança humana, é incompatível com estar em comunhão com o corpo de Cristo. Em suma, não foi feito nada de novo, de surpreendente. Eles (bispos mexicanos) apenas revelaram e declararam publicamente algo que é previsto pelo direito da Igreja."

Alguns anos mais tarde, a cúpula do Vaticano saiu em defesa da excomunhão dos médicos que realizaram um aborto de gêmeos em uma menina de 9 anos, que havia sido estuprada por seu padrasto em Pernambuco. O presidente da Comissão Pontifícia para a América Latina, cardeal Giovanni Battista Re, alegou que a excomunhão dos médicos foi "justa", mesmo que a interrupção da gravidez tenha sido um ato legal.

Fonte: Estadão



sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Oito nações, incluindo a Rússia, não garantem liberdade religiosa

Países traem Organização e Lei que defende a liberdade de culto



Vários países membros da Organização para a Segurança (OSCE) têm violado os compromissos com a liberdade religiosa estabelecidos pela instituição, de acordo com a Comissão dos EUA sobre Liberdade Religiosa.

"Um número crescente de estados participantes abusaram da autoridade e introduziram medidas que atentam contra o direito dos indivíduos e das comunidades de professarem e praticarem sua religião ou crença livremente", disse Felice Gaer, comissário da organização, na conferência em Varsóvia, Polônia. Ele ressaltou a lista de oito países, em particular, incluindo a Rússia.

OSCE, uma coligação de 56 países, discute questões como controle de armas, meio ambiente e direitos humanos e é a maior organização de segurança regional no mundo. Os Estados-Membros incluem países da Europa, Ásia Central e América do Norte.

Alguns membros da OSCE têm permitido ou mesmo aprovado atos de intolerância religiosa, incluindo abusos como a imposição de severas restrições à educação religiosa, proibindo a literatura, rotulando manifestações pacíficas como "extremistas" ou "terroristas" e promovendo a condenação nacional de várias crenças.

A Lei de Helsinki da OSCE tem sido uma parte integrante de sua dimensão dos direitos humanos. Desde que a lei foi aprovada em 1975, foi expandida para promover a liberdade individual. Em 1989, a expansão de Viena, em particular, fez referências específicas à liberdade religiosa, assegurando a todos os países que confirmam o documento de prestação de igualdade universal. No entanto, estudos recentes realizados mostram que alguns países membros não conseguiram cumprir com os princípios resumidos na Lei de Helsinki e suas expansões.

A expansão de Viena assinala a obrigação de todos os Estados-Membros de garantir a todos os cidadãos a liberdade de culto, incluindo o direito à educação religiosa privada; liberdade para construir centros de culto; a preservação cultural; e publicação de materiais religiosos.

Gaer ressaltou na conferência da OSCE em Varsóvia, que a recusa de conceder liberdade religiosa começa ser um perigoso precedente que poderia levar a uma perda de outras liberdades individuais. “A falta de proteção dos direitos dos membros de minorias religiosas contribui também para a erosão da livre reunião, expressão e outros direitos humanos fundamentais", disse Gaer, de acordo com um comunicado, elaborado por escrito.

Como resultado do acompanhamento frequente, USCIRF (United States Commission on International Religious Freedom - Comissão Internacional dos Estados Unidos sobre Liberdade Religiosa) nomeou Uzbequistão, Turcomenistão, Tadjiquistão, Quirguistão, Cazaquistão, Bielorrússia, Azerbaijão e Rússia como os autores mais proeminentes da injustiça religiosa.

De acordo com a instituição, atos de violência e discriminação ainda foram relatados contra os Protestantes (incluindo tradicionais e pentecostais); Judeus; Muçulmanos; Testemunhas de Jeová e até praticantes de Hare Krishna. Porém, dentre todo o grupos, os protestantes são frequentemente atacados pelos meios de comunicação controlados pelo Estado.

Enquanto Gaer discutia uma série de violações no Oriente Médio, ela também mencionou alguns atos de intolerância religiosa no Canadá, França, Grécia e outros países ocidentais.

De acordo com a USCIRF, a violência anti-semita aumentou em muitos destes países, incluindo ataques a sinagogas e túmulos judaicos. Atos violentos contra os muçulmanos também têm sido relatados.

Gaer concluiu seu discurso incentivando a todos os Estados membros da OSCE a manter suas promessas de proporcionar aos seus cidadãos a oportunidade de praticar sua religião livremente e com segurança.

"Os EUA exigem que os participantes da OSCE Estado a aderir mais aos compromissos com a liberdade de pensamento, de consciência, de religião ou crença," disse Gaer. "As pessoas que pertencem a uma comunidade pacífica religiosa - ou aqueles que preferem uma abordagem secular - claramente merecem respeito e proteção do governo."


Fonte: Redação CPAD News

Nani Azevedo ja se prepara para grava novo CD Pela Central Gospel Music

Nani Azevedo não para mesmo. Além de ter que atender em média a 25 convites por mês, o cantor já pensa em gravar o próximo CD, oito meses após lançar o álbum Sou curado.

O cantor começou a se preparar para a nova produção, que deverá ser lançada no início do primeiro semestre de 2011. “Por enquanto, posso adiantar que a gravação será ao vivo novamente. Pretendemos gravar em janeiro”, entrega Nani. Esse será o quinto CD dele pela Central Gospel Music.

Fonte: Díario Gospel

Por que delas eh o Reino de DEUS

As criancas do Circulo de Oracao Infantil celebraram o dia das Criancas com uma Festa 10!!! Com uma Organizacao e atividades nunca vistas antes na Congregacao em Torres Galvao I. Em uma festa onde procurou-se a dar aos pequeninos um momento inesquecivel!!!!

DEUS o TEMA do meu Viver

Qualquer pessoa que pense em fazer uma Faculdade/Universidade tem que no minimo saber fazer uma Redacao e de logo aprende-se a distinguir um titulo de um tema sob pena de imediato iniciar sua redacao errando!!!
Ha TEMA quando ha uma conjugacao de um verbo - O Amor chegou!! ha o titulo quando nao existe o vebo - O Amor!!
Alegre-se antes mesmo que se falasse em lingua portuguesa, em gramatica , DEUS ja disse no principio era o Verbo e o Verbo era DEUS!! Sem DEUS nao ha conjugacao, nao ha TEMA, nao ha razao, nao faz sentido, falta o principal, simplesmente nao tem consistencia, nao se prolonga, fatalmente nao cresce, nao tem fundamento, nao suporta adversidades!!
Desperta!!tenha DEUS como o TEMA de sua VIDA porque sem ele as demais coisas sao sem razao, sem sentido, acessorias, sem consistencia, curtas, paradas, sem base e fracas!!!
Corra! ainda ha tempo de voce dar sentido para as paginas de sua vida!!! Tenha DEUS como o TEMA de sua Historia, de sua Vida!!!

Exemplo de entrega em favor da Obra de DEUS!

A UMADALPE em Torres Galvao I, em Especial o Grupo de Evangelismo Noturno tem a felicidade de conviver com o dirigente do Grupo de Evangelismo, que Hoje recebeu de DEUS mais um presente impar completou mais um ano de Vida!!
E a alegria eh nossa dos componentes da UMADALPE local porque de igual forma recebemos do Grande DEUS a oportunidade de presenciarmos uma pessoa que busca a todo instante ofertar o melhor a DEUS e que para isso tenta entender o proximo e assim lhe ajudar a buscar reconhecer a forma individual de servir a DEUS!
Objetivando manter sempre a Harmonia do Grupo muitas vezes volta atras em suas vontades e ate mesmo faz modificacoes em planos que passou horas e horas planejando-os, que de maneira sutil nos convida doar-nos um pouco mais nas atividades da Igreja com frases doces como Voce vai fazer algo de importante tal dia? e logo depois diz: eh que estava pensando em nos reunirmos para falar sobre tal projeto, mas de fato ele soh esta querendo que voce participe porque o mais dificil ele jah pediu a direcao a DEUS e quer que voce sinta o mesmo prazer em fazer a obra de DEUS!!!
Estou falando do Ir. Luciano, dirigente do Evangelismo Noturno. Que o Ir. Luciano juntamente com sua esposa e filhos possam sempre nos ser vir de testemunhas de Jesus Cristo por buscar por meio da palavra de DEUS sempre nos impulsionar a fazer o que nos ensina a Biblia Sagrada e desta forma buscar agradar a DEUS sempre com o nosso Melhor!!!!!

Parabens Ir. Luciano!!! Sl.103......

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Eleição mobiliza pastores e divide fiéis após cultos no Rio

Líderes manifestam preferência por candidatos, mas seguidores dizem ter liberdade no voto. Fiéis dizem que temas como aborto e casamento gay influenciam seus votos.

A corrida pelo voto evangélico nas eleições deste ano mobilizou pastores de igrejas por todo o Brasil, mas fiéis que frequentam cultos no Rio de Janeiro dizem nem sempre seguir a orientação de seus líderes religiosos na hora de votar, embora admitam que temas sensíveis à religião influenciem a decisão.

Em dois cultos visitados pela BBC Brasil no Rio, o apoio dos líderes é declarado.

Na Assembleia de Deus dos Últimos Dias (ADud), no município de São João de Meriti, o pastor Marcos Pereira entrou na campanha de Dilma Rousseff (PT) após apoiar Marina Silva (PV) no primeiro turno.

Já na Assembleia de Deus Vitória em Cristo, no bairro da Penha, o pastor Silas Malafaia se declara pró-José Serra (PSDB) desde o início da disputa.

"É lógico que, antes, eu preferi apoiar a Marina, porque ela é evangélica", afirma Pereira. "Com isso, acho que agregamos pelo menos uns 80% dos votos da comunidade para ela."

"Agora, com a Dilma, creio que através da nossa pessoa ela consiga uns 3 milhões de votos. Vai balançar", aposta o pastor, que é conhecido por seu trabalho com presidiários e se autointitula "o pastor que cuida de mendigo, encarcerado, drogado, crackudo".

A popularidade rendeu ao cantor Waguinho, ex-pagodeiro e parceiro de Pereira no trabalho social, mais de 1,3 milhão de votos na corrida para o Senado.

Vídeos no YouTube

Já o pastor Silas Malafaia declara seu apoio a Serra não apenas aos fiéis que frequentam a sua igreja - no último domingo, eram mais de 2,5 mil pessoas reunidas em canto vigoroso - como também a seus seguidores no Twitter, aos telespectadores do programa Vitória em Cristo (transmitido por três emissoras de televisão) e a quem assiste a seus vídeos no YouTube.

Em um deles, Malafaia comenta a postura de cada candidato em relação ao aborto e ao projeto de lei criticado pelos evangélicos por buscar criminalizar o preconceito contra homossexuais, entre outras minorias.

"Oriento os fiéis a avaliarem a proposta de cada candidato, no que ele acredita, com que está comprometido, o que quer para o Brasil. E repito sempre: 'você é livre para votar em quem quiser, o pastor não é dono do seu voto. Não vai ter anjo na urna fiscalizando'", diz Malafaia, que conta ter dedicado 30 de seus programas à conscientização sobre a importância de exercer a cidadania nas eleições.

Os temas do aborto e do casamento gay são citados por muitos fiéis como decisivos para suas escolhas.

Na igreja de Marcos Pereira, o motorista André Vidal, de 35 anos, conta que acabou de cumprir oito anos de prisão, se converteu evangélico há um mês e também mudou seu voto para Serra.

Vidal diz que desistiu de votar na candidata do PT porque, em suas palavras, "no começo das eleições, ela estava querendo apoiar o aborto e o casamento de mesmo sexo".

Oportunidade

O bispo Manoel Ferreira, presidente da Convenção Nacional das Assembleias de Deus no Brasil, é coordenador da campanha evangélica de Dilma Rousseff e diz que o voto pode variar muito de uma denominação para a outra.

De acordo com Ferreira, a orientação política não é transmitida na hora da liturgia. "Mas, nos momentos logo após o culto, a gente tem a oportunidade de falar às lideranças, e assim isso chega lá na base do povo", diz.

No culto da noite da última segunda-feira, o pastor Marcos Pereira não falou em política. Durante as orações, ele "libertou" fiéis que foram para o altar no fim da cerimônia, fazendo-os cair após prensar sua mão contra suas testas.

Pereira também conclamou uma prece fervorosa entoada por toda a comunidade em prol da conversão do traficante Marcinho VP, que está preso no Paraná e cujos filhos e esposa estavam no culto. O casal de adolescentes, que no ano passado lançou um CD, cantou para os fiéis.

Consciência

Apesar de o posicionamento político dos pastores ser conhecido, nem todos os fiéis seguem o mesmo caminho na hora de votar.

A manicure Mônica Lima dos Santos, de 43 anos, ainda não definiu seu voto, mas diz que "na hora, com certeza, a consciência vai pelos projetos, não tem nada a ver com religião". "Religião é uma coisa, política é outra", completa.

Na igreja de Malafaia, também há indecisos entre os fiéis. O mecânico Josuel José, de 43 anos, diz que só vai decidir na hora do voto.

"Aqui as pessoas são livres para votar. Claro que procuram ter informações no meio para decidir, porque há confiança entre os fiéis. O pastor Silas conhece muita gente importante e dá um norte para a gente se orientar", afirma

Mesmo sem saber em quem vai votar, a desempregada Jacqueline Hollanda, 42 anos, afirma que a consciência política entre os evangélicos aumentou durante a campanha.

"Antes, diziam que era pecado se envolver com política. Hoje, sabemos que é importante formar opinião como cidadãos e temos consciência de que podemos mudar a história da política", afirma a fiel da igreja de Malafaia.

Fonte: BBC Brasil

Filme cristão aborda a temática do aborto



A BV Films traz para o Brasil o filme “Venha o Que Vier”, cujo tema é o aborto.


Nos Estados Unidos esse filme foi de grande interesse nas universidades e faculdades de Direito.


Mas a grande questão é, sob a perspectiva bíblica, de acordo com os princípios bíblicos, a mulher tem o direito de abortar?


A polêmica do aborto está sendo motivo de muitas discussões jurídicas e religiosas, pontos de vista diferentes, tanto no Brasil, como em outros países.


Muitos casos de vítimas de estupro e gravidez na adolescência estão sendo usados como fortes argumentos a favor do aborto.
Como encarar uma situação real sobre o tema com jovens que lidam com Leis?



Saiba mais com a sinopse do filme abaixo:


Com a mãe advogada e o pai professor, Caleb Hogan cresceu sabendo a importância de expor suas ideias, responsabilizar-se por seus atos e escolher o que é certo... Venha o que Vier.



Estando face a face com as realidades e legalidades do aborto – na preparação para o National Moot Court championship, enquanto sua mãe prepara-se para defender uma ação de grande importância diante do Supremo Tribunal – Caleb precisa decidir no que ele realmente acredita.


Se tiver um argumento pró-vida, poderá perder a competição mais importante para ele – e o apoio de sua mãe. Se ele decidir segui-la, poderá ganhar o tão cobiçado prêmio... mas, no processo, poderá perder o coração de sua amiga de equipe, Rachel.
Com seu professor e colegas de classe, Rachel não apenas entende o valor dos argumentos a favor da vida, assim como acredita nisso como a essência de tudo. A vida, desde o começo, existe para honrar a Deus.


Caleb pode ter a mesma convicção? Pode ele, ao mesmo tempo, ganhar o coração de Rachel? Enquanto o acordo é a saída mais fácil, é também a mais perigosa.


Fonte: Guia-me

Evangélico canta em velório de Tuma e é retirado pela PM

Um homem conhecido como "Oh! Glória" pelos servidores da Assembleia Legislativa de São Paulo chamou a atenção no velório do senador Romeu Tuma (PTB) na manhã desta quarta-feira. Ele invadiu a cerimônia com cantos religiosos. "A Deus, seja a glória. Amém", repetia.

Policiais militares pediram para o homem ter respeito com a família e com os amigos presentes. Após a conversa, o homem parou de cantarolar e saiu acompanhado pelos policiais. Fora do prédio, voltou a entoar o mesmo cântico.

Segundo responsáveis pelo cerimonial da Assembleia Legislativa, "O Glória" aparece em quase todos os eventos da casa, por onde transita pelos corredores, escadas e restaurante, sempre cantando.

"Oh! Glória", cujo nome verdadeiro é Orlando Torres, é evangélico da Assembleia de Deus. "Faço isso para tocar o coração das pessoas", justificou o religioso, que disse fazer o mesmo ritual em "todo lugar onde tem eventos".

Fonte: Guia-me

Com pauta religiosa, política brasileira se aproxima de similar norte-americana



Discursos de palanque com conteúdo religioso, candidatos fazendo profissão de fé, visitas a igrejas, resposta na ponta da língua sobre assuntos morais e, acima de tudo, nenhum deslize pecaminoso em sua biografia. Assim são as campanhas norte-americanas nas últimas três décadas. E assim ficou a corrida presidencial brasileira em 2010. Se o brasileiro se espantava com esses ingredientes da democracia dos EUA, agora assiste em seu território ao mesmo fenômeno.

A petista Dilma Rousseff teve de se explicar várias vezes sobre sua opinião sobre o aborto, fez diversas reuniões com líderes religiosos e até uma carta de compromisso firmou para se livrar da suspeita que, se eleita, irá propor mudanças nas leis de direitos humanos. O tucano José Serra peregrinou por igrejas, leu a Bíblia no horário eleitoral e contou até com um santinho com citação bíblica: “Jesus é a verdade e a justiça.”

Ambos convocaram pastores para anunciarem seus apoios, visitaram a basílica de Aparecida e anunciaram ter “a fé cristã”.

O assunto tomou força uma semana antes do primeiro turno da eleição. Por um lado, o debate de presidenciáveis promovido pela CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), foi pautado por esses temas – nele, Serra declarou que achavam bom o presidente brasileiro acreditar em Deus.

Por outro, nos meios evangélicos começaram a circular vídeos com pastores criticando o PT e sua candidata, e apontando que eles eram a favor do casamento entre homossexuais e do aborto. Vídeos como os de Silas Malafaia e Paschoal Piragini Júnior foram acessados por milhões de internautas e ainda foram exibidos em igrejas.

Anteriormente, o tema tinha se limitado a uma carta intitulada “Apelo a Todos os Brasileiros e Brasileiras”, divulgada em agosto pela Regional Sul 1 da CNBB e que pedia para não se votar em candidatos do PT por ser a favor da “descriminalização do aborto”. Quando o tema ganhou as manchetes, os bispos católicos se negaram responder porque a discussão era “eleitoreira”.

Pesquisa do Datafolha apontou que 25% dos eleitores que desistiram de votar em Dilma no dia 3 de outubro apontaram razões religiosas – o restante justificou a mudança por denúncias e escândalos sobre o governo.

A queda entre os evangélicos perdurou no segundo turno: é o único segmento religioso em que José Serra vence segundo o instituto de pesquisa (na linha evangélica não pentecostal, o tucano lidera por 50% sobre 40% de sua rival). A petista vence entre católicos, espíritas e os que não têm religião.

A mudança repentina é explicada em parte porque o público majoritário das igrejas evangélicas tem o mesmo perfil dos eleitorais que mais tardam a definir seu voto: as mulheres de baixa renda. Em geral, o único espaço público de debate frequentado por essa parte do eleitorado é o templo, por isso a palavra do pastor ganha mais força do que a dos padres e bispos entre os fiéis católicos.

Prova da força do voto evangélico foi o aumento de sua bancada: cresceu 47% em 2010, somando 63 deputados e três senadores – mesmo número de parlamentares que o PSDB conseguiu eleger. Os números mostraram que a bancada evangélica reverteu o desfalque sofrido nas eleições de quatro anos atrás por envolvimento de integrantes em escândalos como o mensalão, o que interrompeu um crescimento iniciado nos anos 80.

O Plano Nacional de Direitos Humanos, lançado pelo governo Lula no final do ano passado, é o principal alvo da bancada. Na “Carta de Brasília”, divulgada pela bancada, os líderes evangélicos se insurgiram contra o apoio do plano, em sua versão original, à descriminalização do aborto e à união civil de pessoas do mesmo sexo.

Com essa guinada no final de setembro, um dos fatores que determinou a existência do segundo turno, fez a campanha recomeçar em tom moral. Em sua primeira frase, Dilma disse: “Quero começar este segundo turno agradecendo a Deus por me ter concedido uma dupla graça”. Serra, na imagem que abriu seu programa, apareceu discursando sobre a sua ida ao segundo turno e rogou: “Com Deus, vamos à vitória”.

Em entrevistas e discursos, ambos repetiam expressões-chaves como “a família brasileira” (em referência ao casamento gay), “respeito à vida” (leia-se “contra o aborto”) e liberdade de religião (“não criminalizar os religiosos contrários à homossexualidade”).

Os críticos logo acharam rótulos como “inquisição”, “Idade Média”, “puritanismo”, “guerra santa” e “cruzada eleitoral” para tentar explicar o clima em que a corrida presidencial entrou.

Cá como lá

Nos EUA, foi-se o tempo em que o presidente John Kennedy nadava com beldades durante sua gestão e isso não tinha repercussão pública. Hoje, a pauta política do país é o Tea Party, o setor ultraconservador do Partido Republicano que surgiu como reação à subida de Barack Obama ao poder em 2008.

Nas últimas décadas, os americanos passaram a esperar de seus presidentes um comportamento privado mais condizente com a imagem de família feliz que eles obrigatoriamente apresentam. O caso Gary Hart foi um marco. Mulherengo, ele disputava a candidatura presidencial pelo Partido Democrata em 1988 quando desafiou a imprensa a comprovar algum deslize: foi flagrado com uma namorada sentada em seu colo durante um animado passeio de barco. Renunciou à carreira política.

O conservadorismo dos EUA encontrou outro prato cheio no caso extraconjugal de Bill Clinton com a estagiária Monica Lewinsky que gerou um processo de impeachment para o mandatário.

Seu sucessor, George W. Bush, teve como público cativo a população do Sul e do Meio-Oeste dos EUA, região que foi apelidada como a “Jesusland” pelo forte apelo religioso e moral em suas escolhas eleitorais. Bush é um “Born again” (renascido) na igreja metodista.

Já Barack Obama, tachado de “infiel”, se apresentou como membro da Trinity United Church of Christ, de teologia luterana, convertido já adulto para angariar a simpatia de parte do eleitorado.

Por sua família muçulmana, Obama enfrentou boatos de que seria também um muçulmano, religião que muitos americanos associam negativamente ao extremismo. Os boatos foram reforçados com a divulgação de uma foto na qual Obama aparece com trajes típicos em visita ao Quênia, onde sua família paterna mora.

Nessa reta final, Serra e Dilma enfatizaram na formação católica na infância e no colégio, sem citar que boa parte de suas vidas adultas e políticas não estavam relacionadas com a religião.

Eles também exibiram imagens de suas recentes predileções espirituais. Dilma exibiu foto de encontro com o papa Bento 16 e se declarou devota de Nossa Senhora Aparecida em sua primeira visita à basílica. Já Serra teve de ouvir discurso revoltado de padre contra o tumulto que o tucano provocou na igreja de Canindé (Ceará), mas, por outro lado, foi bem recebido em suas incursões entre bispos católicos e líderes da Assembleia de Deus. O tucano acabou sua campanha dizendo que foi “Davi contra Golias”.

Fonte: Gospel Prime

Eleição acirra debate sobre impacto do voto evangélico

Em 2011, bancada evangélica na Câmara passará de 43 a 63 cadeiras

As eleições para presidente chamaram atenção para o peso do voto evangélico no Brasil, mas os fatores que influenciam a decisão dessa faixa de eleitores e a coesão do movimento como força eleitoral despertam opiniões divergentes.

Para o sociólogo Paul Freston, que estuda o papel dos evangélicos na política desde os anos 1980, não existe um voto evangélico coeso. Uma coisa, diz ele, é o discurso de líderes evangélicos. Outra é examinar a maneira de o evangélico comum votar.

"Não é um voto de cabresto. Mesmo quando o pastor é candidato e toda a igreja é mobilizada para votar nele, há casos de derrota fragorosa. Os membros parecem estar obedientes, mas não estão", diz ele à BBC Brasil.

"Estamos falando de pessoas que são cidadãos comuns, têm sua inserção na sociedade. Elas levam em consideração fatores pessoais, profissionais, de família, de classes", enumera Freston, professor da Universidade Federal de São Carlos, em São Paulo, e da Balsillie School of International Affairs, no Canadá.

Na opinião do sociólogo Alexandre Brasil Fonseca, se há coesão, ela vem não do fato de serem eleitores evangélicos, mas sim dos outros elementos que definem a identidade dos grupos - como origem social e capital cultural.

"O espectro evangélico é amplo e inclui diversas tendências e opiniões", diz Fonseca, diretor do Núcleo de Tecnologia Educacional para a Saúde (Nutes), da Universidade Federal do Rio de Janeiro. "O fato de os fiéis estarem numa igreja e falarem 'amém' para um pastor não deve ser visto como uma adesão integral."

Pastores

De acordo com levantamento do cientista político Antonio Lavareda, o segmento evangélico representa 25% do eleitorado brasileiro - cerca de 34 milhões de pessoas. E, na avaliação do pesquisador, a influência dos líderes religiosos sobre os fiéis é maior no caso dos evangélicos.

"Pesquisas têm apontado que o contingente evangélico tem maior capacidade de ser influenciado pelos seus bispos e pastores do que o contingente dos católicos", diz Lavareda.

"Temos 62% do eleitorado se dizendo católico, mas padres e bispos da igreja estão longe de terem a influência que os pastores evangélicos têm", compara o cientista político, que é especialista no estudo de processos eleitorais e foi consultor de comunicação nas candidaturas presidenciais de Fernando Henrique Cardoso.

Lavareda diz que a sociedade brasileira é eminentemente religiosa e que o circuito das igrejas sempre foi um instrumento fundamental nas agendas de campanhas.

"Todos os candidatos precisam interagir com as igrejas, frequentar os templos, ser apresentados por padres e pastores aos eleitores. É um ingrediente típico na disputa", afirma.

Na disputa presidencial deste ano, a aproximação com lideranças evangélicas foi uma das apostas das campanhas de Dilma Rousseff (PT) e José Serra (PSDB), que procuraram participar de missas e cultos e tentaram se identificar como políticos que valorizam a fé.

Ambas as campanhas contam com uma coordenadoria evangélica para dialogar com pastores e buscar apoio em diferentes igrejas. E temas como o aborto e o casamento homossexual se tornaram pontos sensíveis da campanha, com o segundo turno marcado por cobranças por um posicionamento claro sobre esses assuntos.

Debate moral

Na avaliação do diretor do Nutes, o posicionamento em relação a temas sensíveis pode ser decisivo para parte dos evangélicos. "Para este eleitorado, a questão moral tem significativo peso e centralidade na definição do voto."

Já Paul Freston diz que, no Brasil, os eleitores não costumavam decidir o voto com base em uma única questão, ao contrário do que ocorre nos Estados Unidos - onde é comum o chamado "single issue vote" (voto baseado em uma questão central).

"No Brasil, historicamente, os evangélicos não votam assim, outras questões têm uma importância maior. Ainda é cedo para afirmar, mas isso pode estar mudando", avalia o sociólogo.

A expansão da esfera de influência do eleitorado evangélico do Legislativo para o Executivo é outro fenômeno recente apontado por pesquisadores. Os evangélicos já têm três décadas de tradição em eleger representantes para o Poder Legislativo.

"Influenciar uma disputa presidencial é mais difícil", diz Freston. "Afinal, apesar de serem um grupo grande, os evangélicos são uma minoria."

"Neste ano, tivemos o caso da Marina Silva, a evangélica que chegou mais perto da Presidência até hoje, com quase 20% dos votos", acrescenta o sociólogo. "O fato de ela ser evangélica teve impacto neste resultado. E ela foi discreta, não fez o mesmo uso eleitoral da identidade evangélica que o Garotinho fez em 2002."

Garotinho

Os sinais de influência do voto evangélico em uma disputa presidencial já haviam aparecido em 2002, quando boa parte da votação para a candidatura do ex-governador do Rio Anthony Garotinho (na época, do PSB, e hoje no PR) foi atribuída ao apoio de fiéis evangélicos.

"Garotinho já tinha uma base regional muito forte no Rio e usou sua identidade evangélica para se lançar nacionalmente. E se saiu bem. Ficou em terceiro lugar e quase chegou ao segundo turno", lembra Freston, referindo-se às eleições em que Luiz Inácio Lula da Silva foi eleito presidente.

Segundo o cientista político Antonio Lavareda, uma pesquisa realizada dias antes do primeiro turno em 2002 indicou que o resultado do pleito poderia ter sido outro se os evangélicos fossem a maioria.

"Garotinho tinha 42% da intenção de votos no segmento, o que o colocaria 15 pontos à frente de Lula, que tinha 27% dos votos do grupo", cita o pesquisador.

Nas eleições do último dia 3 de outubro, Garotinho foi eleito deputado federal com quase 700 mil votos no Rio, a segunda maior votação para o cargo em todo o Brasil.

Outros candidatos evangélicos tiveram votações expressivas no país. A partir de 2011, o número de evangélicos na Câmara dos Deputados passará de 43 para 63, segundo levantamento do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar.

Fonte: O Globo

Eliane Silva lança novo CD “Fenômeno de Glória”

A cantora Eliane Silva que tem carreira sólida e vem alcançando ainda mais o Brasil, acaba de lançar o CD ‘Fenômeno de Glória’.

Segundo os fãs da cantora, o CD está indescritível e veio para marcar um novo tempo no ministério da Eliane.

Conhecida por suas músicas fortes e interpretações marcantes, Eliane é recebida com muito carinho em todas as partes do País e Exterior.

Fenômeno de Glória já chega às lojas com a marca de Disco de Ouro. Produzido por Melk Cavalhêdo e composições de Agailton Silva, Rogério Junior e muito mais, tornam deste, um dos mais belos trabalhos da cantora.

Para mais informações acesse:
www.elianesilva.com.br
twitter: elianesilva_

Fonte: DiarioGospel.com

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Dilma passa Serra entre eleitores evangélicos, mostram pesquisas


Pesquisas Vox Populi e Datafolha divulgadas segunda-feira e ontem, respectivamente, mostram que, na reta final, Dilma ganhou mais votos evangélicos do que Serra.

Pesquisa Vox Populi/iG publicada nesta segunda-feira mostra que, a menos de uma semana das eleições, a candidata do PT ao Palácio do Planalto, Dilma Rousseff, passou para a dianteira sobre o tucano José Serra na corrida presidencial entre os evangélicos.

Num momento em que temas religiosos ganharam destaques na campanha, a pesquisa desta semana aponta que Dilma venceria o rival Serra, entre eleitores católicos (51% a 39%), católicos não praticantes (53% a 35%) e evangélicos (44% a 41%)..

Virada de Dilma


Na semana passada, a mesma pesquisa Vox Populi mostrava que José Serra tinha 44% dos votos entre os entrevistados que se declararam evangélicos e Dilma tinha 42%

Depois da luta pelos voto dos evangélicos, inclusive se comprometendo em não apoiar temas polêmicos como aborto e casamento homossexual, a candidata Dilma Rousseff conseguiu superar o candidato José Serra.

A candidata do PT tinha 42% contra 44% do tucano. Agora, na pesquisa do dia 25 de outubro, Dilma tem 44% e Serra 41%, uma virada que demonstra que todo o esforço para conseguir o voto dos evangélicos valeu a pena na reta final da campanha.

Entre os católicos praticantes Dilma tinha, na pesquisa da semana passada, 54% contra 37% do tucano, e agora tem 51% contra 39%, mostrando uma queda de Dilma e crescimento de Serra, mas insuficientes para tirar a liderança de Dilma entre os católicos praticantes.

No segmento dos católicos não praticantes a petista conseguiu na semana passada, 55% contra 37% de Serra e agora tem 53% e Serra 35%. Queda dos dois candidatos, entre os católicos não praticantes, mas Dilma continua na liderança, também neste seguimento.

Entre os eleitores que não têm religião, a vantagem da petista é de 46% a 38%. Na pesquisa anterior Dilma também vencia por 49% a 36%.

Datafolha


A pesquisa Datafolha divulgada ontem, também mostra que a petista cresce entre evangélicos.

Entre os eleitores evangélicos pentecostais (18% do total do país), Serra liderava com folga no início do mês. Tinha 49% contra 40% de Dilma. Essa foi a época em que o noticiário estava dominado pelo debate sobre temas religiosos e liberalização da lei do aborto.

Depois de quase um mês, Serra acumulou uma perda de seis pontos entre os pentecostais, numa queda lenta e gradual. Na semana passada, estava com 44% e no Datafolha de ontem pontuou 43%.

Dilma começou o mês com 40% e agora tem 42% no segmento pentecostal. Do ponto de vista estatístico, empatou com Serra.

Quando são analisadas as regiões do país, a única variação relevante foi a oscilação para baixo do tucano no Sudeste: de 43% para 40% -dentro da margem de erro. Dilma está na frente com 44%.

O Datafolha perguntou aos eleitores quais atributos são considerados relevantes na hora de escolher o candidato. Houve poucas variações em relação a levantamentos anteriores.

Uma nova pergunta foi sobre "ter um passado político conhecido". Para 70%, esse é uma atributo "muito importante". Outros 28% consideraram "pouco importante" ou "nada importante".

Sobre "nunca ter se envolvido em casos de corrupção", 87% responderam que essa é uma condição "muito importante" para postulantes à Presidência. Há três anos, em 2007, o percentual foi 91%.

Fonte: Folha Gospel -
http://www.folhagospel.com/modules/news/article.php?storyid=15576







Em reunião da Assembleia de Deus, José Serra ora e lê Bíblia


José Serra leu a Bíblia, orou junto, recebeu bênção e cantou hinos de louvor durante congresso dos 50 anos da Assembleia de Deus no Paraná.

Assim foi a passagem relâmpago de José Serra por Foz de Iguaçu (PR) nesta terça-feira (26), um dia de compromissos de campanha para o Planalto em mais três Estados.

Com um “na paz do Senhor”, o candidato tucano abriu e fechou sua participação no congresso que comemorou os 50 anos da Assembleia de Deus no Paraná, que acontece em hotel no caminho das Cataratas do Iguaçu.

A pedido dos pastores evangélicos, Serra leu parte da Bíblia, previamente escolhida por ele. O trecho escolhido foi do Velho Testamento que fala de Salomão e o pedido desse rei a Deus por sabedoria. “Eu também quero sabedoria. E peço que vocês rezem para que eu tenha sabedoria”, disse.

O pastor Ival Teodoro da Silva, líder dessa denominação evangélica no Estado, puxou o cântico “Deus te ama”, uma prece de braços levantados e ainda afirmou que tem "orado pelo senhor” para o tucano.

Assim como sua rival petista, Serra deu uma guinada religiosa neste segundo turno da eleição presidencial. Entre a “família assembleiana”, se mostrou familiarizado com os rituais e as falas. Em uma oração mais comovente, ele até fechou os olhos e seguiu as frases do pastor.

Além disso, respondeu seis perguntas feitas pelo público e previamente selecionadas pelos líderes da igreja. Não faltou a tradicional pergunta sobre aborto e casamento gay.

Depois de falar que a família é “a célula da sociedade”, o tucano disse que a sua está sendo atacada nesta campanha. “Só falta falarem que meu neto de sete anos puxou a orelha de um colega. Já mexeram nas contas da minha filha e já falaram mentiras de minha mulher. O que mais falta? Desde o descobrimento do Brasil, nunca se falou tanta mentira”, protestou para a plateia.

Ele aproveitou para atacar sua adversária na corrida presidencial, a petista Dilma Rousseff. “Minha rival mostra a intolerância do punho fechado e nos mostramos o abraço fraterno da solidariedade. Nós devolvemos com a verdade. Jesus é a verdade e a Justiça”, citou, repetindo trecho bíblico que usou em santinhos de campanha.

Aproveitando a posição geográfica, ele falou de segurança, lembrando que a região da Tríplice Fronteira é a grande porta de entrada de drogas e armas. “Precisamos de um batalhão de fronteira para proteger nosso território e reduzir a criminalidade”, disse, repetindo uma proposta anterior.

E não poupou elogios ao Paraná, onde tem a maioria dos votos: “O Paraná é o irmão mais novo de São Paulo: me sinto sempre em casa.” Muitos carros no estacionamento do local tinham a inscrição “Beto é Serra”, mas o governador eleito do Paraná, Beto Richa, faltou ao encontro com Serra na fronteira.

O clima era de muita adesão tucana no local, apesar de a organização declarar que Michel Temer deve estar por lá após a chapa rival ter sido convidada também a estar por lá esta semana. Muitas bandeiras de Serra estavam fincadas no gramado diante do hotel e vários seguidores da Assembleia de Deus estavam com o adesivo de Serra ao lado de broches com figuras cristãs.

“Essa reunião é para ver como ele se sai diante da palavra de Deus. Ele não é um dos nossos, mas temos que votar”, disse o deputado federal André Zacharow, um dos eleitos da bancada evangélica.

Uma das perguntas dos evangélicos foi sobre a defesa de Israel por ser o berço do cristianismo e a relação com o Irã, cujo regime é o principal antagonista dos israelenses no Oriente Médio. “Não podemos ter carinho ou ser amigos de ditaduras. Só relação diplomática e nada mais”.

Serra saiu apressadamente do local, afinal, tinha comício marcado para Caxias do Sul (RS) duas horas depois. Ficou para trás o congresso religioso, que contava com feira de negócios com venda de púlpitos de acrílico, músicas gospel, instrumentos musicais e óleos para unção. “Na paz do Senhor” repetiam os presentes.

Fonte: Folha Goepel -
http://www.folhagospel.com/modules/news/article.php?storyid=15575





Silas Malafaia irá negociar com o SBT exibição de seu programa evangélico

O pastor Silas Malafaia pretende apresentar o programa evangélico de sua igreja no SBT. De acordo com o jornalista Lauro Jardim, a negociação está sendo articulada pelo apresentador Ratinho, que viabilizará um encontro do pastor com Daniela Beyruti, diretora-geral do SBT e uma das filhas de Silvio Santos.

A ideia de Malafaia é veicular um programa evangélico em horário nobre, assim como a Band faz com o “Show da Fé”, do missionário R.R. Soares. Atualmente, a Igreja Assembleia de Deus exibe seu programa, o “Vitória em Cristo”, em várias emissoras, como a Band, a RedeTV! e a CNT.

Essa não é a primeira vez que um líder de igreja evangélica tentar comprar horários no SBT. Recentemente, R.R. Soares fez proposta para ocupar horários no canal de Silvio Santos. Caso o SBT aceite a tentadora proposta da igreja de Malafaia, a Globo se tornará a única das grandes emissoras sem a veiculação de programas evangélicos em sua grade de programação.

Fonte: O Verbo  -  http://www.overbo.com.br/portal/2010/10/27/silas-malafaia-ira-negociar-com-o-sbt-exibicao-de-seu-programa-evangelico/


Reforma Protestante completará 500 anos em 2017 na Alemanha

Divulgação da proximidade da data já começou em vários países, inclusive no Brasil

O segmento turístico alemão espera uma crescente presença de visitantes religiosos naquele país nos próximos anos. A divulgação da proximidade da data em que a Reforma Protestante completa 500 anos já começou em vários países, inclusive o Brasil. Na página da entidade na Internet, que promove o turismo em terras germânicas, já existe conteúdo especificamente relacionado ao evento, que acontece em 2017, com o objetivo de mobilizar mais caravanas de fieis turistas. Neste site, os autores tentam resumir a importância do evento da seguinte forma:

“A Igreja Católica Romana medieval era poderosa, dona de muita terra e riquezas. Os pré-reformadores Jan Hus e John Wycliffe criticavam uma crescente secularização e falta de piedade de monges, padres e bispos, pavimentando o caminho para homens como Martinho Lutero, João Calvino e Zwinglio. Em 31 de outubro de 1517, Lutero pregou na porta da igreja de Wittenberg suas 95 teses denunciando a venda de indulgências. Largamente difundidas como o início da Reforma, tais iniciativas mudaram o curso da história – e seu 500º aniversário acontece em 2017. Nos próximos anos, haverá diversos eventos na Alemanha, tais como seminários, exposições, festivais e concertos, para compor a cena das celebrações que virão naquele ano”.

O site também disponibiliza uma biografia de Lutero, um pouco de história, informações sobre seus contemporâneos e imagens de época.

Lá você vai encontrar textos como este: “A vida e história de Martinho Lutero estão sem dúvida atreladas a inúmeros locais na Alemanha. Wittenberg, por exemplo, conhecida por Lutherstadt (a cidade de Lutero), é onde ele pregou suas 95 Teses à porta da Igreja-Castelo da cidade, em 1517, iniciando a Reforma Protestante na Alemanha. De acordo com Martinho Lutero, a Reforma era uma luta pelos evangelhos e uma chance para que ele conseguisse reformar a Igreja Católica e levar o Cristianismo de volta às suas raízes”.

“Porém, Wittenberg não foi o único local onde a vida de Martinho Lutero desenrolou-se. Parte da história de Martinho Lutero inclui o tempo em que passou no Castelo de Wartburg, próximo a Eisenach, de maio de 1521 a março de 1522, onde traduziu o Novo Testamento para o alemão”. O site menciona uma lista de locais relacionados à vida de Martinho Lutero: Wittenberg, Eisleben, Eisenach, Erfurt, Dresden e Leipzig.

Outra informação interessante é sobre a composição religiosa do povo alemão: “Nos dias de hoje os Católicos Romanos, principalmente concentrados no sul, representam 30% da população Alemã. Os Protestantes, a maioria deles luteranos, representam 30% da população e concentram-se ao norte. Aproximadamente 4% dos alemães são Muçulmanos e uma pequena porcentagem é formada por Judeus. Hoje em dia, a Alemanha possui a comunidade judaica que mais rapidamente cresce na Europa, e que é constituída em sua maioria por judeus de países do Leste Europeu, que começaram a se estabelecer nas grandes cidades da Alemanha, particularmente em Berlim.”

Eles também mencionam possibilidades de outros roteiros de turismo religioso, além do relacionado à vida de Lutero: “As pessoas que visitam a Alemanha podem vivenciar as grandes religiões mundiais e aprender em primeira mão e em profundidade sobre suas origens históricas e tradições passadas e presente, em vários museus, memoriais e construções religiosas, além de locais de peregrinações, espalhados por todo o país”.

São roteiros sugeridos, além de “Seguindo os passos de Martinho Lutero”, a  “Alemanha para viajantes judeus”.



Fonte:
CPAD News  -  http://cpadnews.com.br/integra.php?s=12&i=5263




Israel utilizou fórmulas matemáticas para controlar provisões na faixa de Gaza

O Exército israelense utilizou fórmulas matemáticas para supervisionar e controlar o fornecimento de produtos à faixa de Gaza durante o bloqueio comercial que impôs à região a partir de junho de 2007.

A informação foi divulgada pelo grupo de direitos humanos Gisha, após ter acesso a uma série de documentos do Exército de Israel, segundo afirma nesta terça-feira o jornal israelense "Haaretz".

Após apelar à lei de liberdade de acesso à informação, o Gisha obteve as fórmulas de como o Exército calculava o fornecimento de produtos à faixa de Gaza, limitando ou permitindo o abastecimento.

O bloqueio comercial teve início em junho de 2007, quando o movimento islâmico Hamas tomou o controle da faixa. Em junho deste ano, a prática foi alvo de uma onda de protestos internacionais após o ataque israelense a uma frota que tentava chegar a Gaza --na ocasião, nove ativistas turcos morreram. Após o episódio, Israel afrouxou um pouco o bloqueio.

Até então, Israel restringiu a entrada de produtos básicos à população palestina, afirmando o tempo todo que controlava o fornecimento, mas sem revelar de que forma isso era feito.

Segundo o "Haaretz", fórmulas e coeficientes determinavam, por exemplo, a quantidade de ovos na faixa de Gaza, tanto por importação quanto por produção nas fazendas palestinas. "O fornecimento era exatamente a quantidade que Israel permitia", afirma o jornal.

Todas as fórmulas serviam para determinar o número de dias até que certo produto acabasse e os palestinos vivessem uma completa escassez.

Um alto oficial do escritório de coordenação civil para a faixa de Gaza e a Cisjordânia explica ao jornal que as regras do boicote estavam em um documento que continha um método para identificar rapidamente a escassez de qualquer produto básico.

Segundo o oficial, as regulações foram formuladas "inspirando-se em alimentos conhecidos, em consultas com o Ministério de Saúde israelense e levando em conta os hábitos de consumo de uma família em Gaza, segundo os dados do escritório de estatísticas palestino em 2006".



Fonte: Folha.com  -  http://www1.folha.uol.com.br/mundo/820424-israel-utilizou-formulas-matematicas-para-controlar-provisoes-na-faixa-de-gaza.shtml




terça-feira, 26 de outubro de 2010

Meditemos: O Rio, você e o Olhar Amigo

Há circunstancias na vida que nos encontramos como Moises que foi colado no Rio numa tentativa de sobreviver. Indefeso, sem qualquer discernimento, sem conhecimento dos inúmeros perigos aos quais estava exposto O pequenino Moises permaneceu no cesto e ficou no Rio, sozinho. Neste momento, apenas havia Moises, o Rio, as inúmeras adversidades, que são encontradas em seu curso, e DEUS.
O pequenino Moises não era conhecedor da quantidade dos perigos, mas DEUS se fez presente e, embora o Rio tivesse o poder natural de virar o cesto e Moises fatalmente morrer, em virtude de suas particularidades como a corrente das águas, o vento, as vegetações e até mesmo as pedras.
Moises permaneceu na posição necessária para chegar até o local de sua vitória e isso deve-se exclusivamente a DEUS, pois em meio aos perigos obscuros DEUS não permitiu que o cestinho fosse sucumbido e assim não deixou que movimentos bruscos o atingisse de forma a serem capazes de retirá-lo da posição que foi colocado.
Embora, toda esta situação seja humanamente incontrolável, representa o momento unicamente entre o pequeno Moises e o Grande DEUS as demais coisas fizeram apenas parte dos acessórios porque quando DEUS está presente os obstáculos se transformam em auxiliadores para alcançar-se a tão esperada vitória.
Contudo, há pessoas que nos observam para saber se teremos êxito ou não. No caso de Moises, Miriã seguí-o ao longo do percurso quem sabe na preocupação de saber o que ocorreria com o pequeno Moises. Mas, quando a filha de faraó o retirou do Rio Miriã logo ofereceu a mãe do pequenino Moises e assim, a vitória foi completa.
O pequenino que antes foi lançado ao Rio jogado a um futuro incerto passou a ser reconhecido como o filho da filha de faraó e detentor de todos os cuidados. Teve retirado de si o destino de morte ao qual a circunstância o encaminhava.
Amados é bíblico os que nos virem em momentos de risco, humilhação, desprezo igualmente presenciarão o momento da nossa vitória. Não importa o Rio que você esteja, se largo ou estreito; se com muita correnteza, ou com muita vegetação, ou muitos predadores. Não. Não importa! DEUS ainda nos surpreende. Nos dá vitória da maneira que apraz ao Grande DEUS!! OH! Glória a DEUS!

Japão recebe festival evangelístico Franklin Graham

Mais de 1.765 se entregaram a Cristo nos três dias do evento

Durante três dias o pregador americano Franklin Graham realizou um festival evangelístico no Japão. O evento terminou no domingo com mais 400 decisões para Cristo, somando 1.765.

O festival de Kansai, realizado em Osaka, culminou com os esforços de centenas de igrejas, muitas delas tinham convidado Graham para pregar na região de Kansai, que representa cerca de um quarto da população japonesa.

O diretor do festival, Chad Hammond conta que as pessoas vão olhar para trás da mesma forma que olhavam para a cruzada realizada por Billy Graham, há 30 anos. "Eles vão lembrar que Franklin Graham veio para Kansai em 2010 e começou um processo de mudança em Cristo", comentou.

O Festival de Kansai foi um dos maiores encontros de cristãos na história de Osaka, a maior cidade na região de Kansai, e levou dois anos para se preparar.

A festa foi precedida por uma visita de dez dias de Alfie Silas da Coomes Tommy Band, incluindo o Festival Osaka Ladies que atraiu 3.217 pessoas e um Festival para as crianças que atraiu mais de cinco mil baixinhos.

Para os líderes cristãos japoneses, o festival foi um evento necessário, não só para trazer pessoas a salvação, mas também para incentivar nova vida em igrejas na região de Kansai.

Algumas igrejas sofrem de envelhecimento e outras nem têm pastores. "A frequencia na Escola Dominical é baixa e alguns seminários e departamento já teológico fecharam. Há muito poucos jovens em nosso país a assumir o papel de líderes", relatou o reverendo Yoshikazu Takada, presidente executivo do Festival de Kansai.

Apesar das lutas, que foram agravadas pela economia lenta do Japão, as altas taxas de suicídios, relatos de violência escolar e doméstica, as igrejas tinham esperança de encontrar o Festival de Kansai, que foi apoiado por líderes de igrejas de outras cidades, incluindo Sapporo, Fukuoka Hiroshima e Tóquio.

Quando Graham foi perguntado como o sucesso do evento seria medido, ele disse aos jornalistas que o sucesso de qualquer reunião evangélica depende da oração. "Se apenas uma pessoa entregasse sua vida a Jesus Cristo, o evento seria bem-sucedido", respondeu ele.

Com o Festival de Kansai acabou, Graham vai preparar o próximo festival evangelístico, que será realizada em Riga, Letônia. Festival de Graham levará esperança ao país do norte da Europa do dia 5 a 7 de novembro.


Fonte:  CPAD News
-  http://cpadnews.com.br/integra.php?s=12&i=5260




Marco Feliciano inaugura comitê cristão pró-Dilma; ?Tô na Benção, Tô com Dilma?

No último dia vinte e três de Outubro, na cidade de Orlândia-SP, ocorreu um evento marcante na corrida presidencial. O Pastor e Deputado Federal eleito Marco Feliciano, inaugurou o Comitê Nacional Cristão Pró-Dilma, com o foco objetivo de combater às inverdades dissiminadas na rede e uma série de calúnias e difamações infundadas sobre a candidata a presidência da república Dilma Rousseff.

No evento estiveram presentes as lideranças regionais do Partido dos Trabalhadores, dentre os quais: -  Prefeitos, Vereadores e assessores parlamentares, assim como diversos representas do meio cristão do estado de São Paulo.

Em um discurso incisivo, lembrou  Pr.Marco Feliciano que no ano de 2002 os críticos invadiram os meios de comunicação com uma abordagem mentirosa e muito parecida com a que a ministra Dilma vem sofrendo. Dizia-se que governo petista era contra a religião cristã, concomitantemente haveria uma repressão em massa contra os cristãos e muitas igrejas teriam os seus direitos de liberdidade religiosa cassados. Divergindo todas as espelucões  ás igrejas estão lotadas de fiéis que encontraram no alicerce da liberdade e expressão de sua fé, um impulso para o cristianismo livre.

” A ministra Dilma Russef é sem dúvida a consequência real de todo excelente trabalho exercido pelo Sr.Luis Inácio Lula da Silva, sendo portanto a melhor escolha de todos nós evangélicos”, afirma Feliciano.

Ao término de sua palavra de lançamento do comitê o Pr. Dep. Marco Feliciano convocou os presentes a serem porta-vozes da campanha que elegerá a ministra ao cargo oficial de presidenta da república.

Fonte:  Gospel Prime  -  http://www.gospelprime.com.br/marco-feliciano-inaugura-comite-cristao-pro-dilma-to-na-bencao-to-com-dilma/

Em resposta a Silas Mafalaia, bispo Macedo publica versículo bíblico em seu blog

Parece que a troca de ofensas entre Edir Macedo líder da Igreja Universal do Reino de Deus e Silas Malafaia pastor da Assembleia de Deus Vitória em Cristo tenha acabado.

Tudo começou quando pastor Malafaia em participação do programa do Ratinho cutucou Edir Macedo que se diz a favor da descriminalização do aborto. Após isto, Bispo Macedo publica texto em seu blog onde critica Silas Malafaia e o compara ao profeta velho do livro de I Reis.

Em resposta ao texto de Macedo, Silas Malafaia pública vídeo no youtube onde faz várias acusações ao bispo e a Rede Record.

Mais uma vez o bispo Macedo utiliza a Bíblia para responder Silas Malafaia e publica texto com o título; “Aos meus agressores”. Leia na íntegra;

“Diante dos últimos acontecimentos envolvendo meu nome, deixo aqui a minha resposta:
“O homem bom do bom tesouro do coração tira o bem, e o mau do mau tesouro tira o mal; porque a boca fala do que está cheio o coração.” Lucas 6.4″

Fonte: Gospel Prime  -  http://www.gospelprime.com.br/em-resposta-a-silas-mafalaia-bispo-macedo-publica-versiculo-biblico-em-seu-blog/


Homem esperava ser evangelizado por 20 anos

Depois de evangelizado, Salomão levou o evangelho a aldeias vizinhas

Ray Aker não podia acreditar no que ouvia. Nativo de Oklahoma, ele passou os últimos dois anos, compartilhando Jesus em uma área rural da China, sem ver uma única salvação, até agora.

Deus levou Aker e uma pequena equipe de voluntários dos Batistas do Sul a um homem chamado Salomão, que vivia com sua família em um barraco de chão batido uma aldeia de montanha isolada. Aker contou a história do Evangelho e Salomão creu imediatamente.

Mas foi o que Salomão disse depois que Aker não pode esquecer. "Há vinte anos eu senti no meu coração que havia um Deus acima de tudo, mas não sabia nada sobre ele. Então eu orava todos os dias pedindo que Ele mandasse alguém para me dizer quem Ele era. E hoje Deus respondeu a minha oração”.

De acordo com relatos do missionário, essa foi provavelmente a experiência mais marcante que ele já teve com Deus no tempo missionário. "Não fiz nada de especial, foi Deus que ordenou o momento certo".

Imediatamente Salomão começou a contar aos outros sobre um Deus único e verdadeiro. Rapidamente levou seis moradores da aldeia a Cristo, incluindo sua esposa e duas filhas.

O pajé local tomou conhecimento e ameaçou publicamente, que se não parassem de falar do amor de Deus, seriam amaldiçoados e morreriam em três dias. Salomão recusou-se a ficar em silêncio, e no quarto dia, quando os moradores viram que ele ainda estava vivo, ninguém entendeu.

Salomão falou de Jesus para toda a aldeia. Em um único dia, mais de 80 pessoas se renderam a Cristo. "Essas pessoas vivem com medo de espíritos malignos. Tudo que eles fazem, seja a direção de sua própria, momento certo para casar e o que comer, é tudo baseado na tentativa de acalmar os espíritos malignos. Mas Salomão não teve medo de morrer porque confiou em Deus".

Quatro anos depois, Deus continua usando a influência de Salomão para trazer mais de 400 pessoas à Cristo em três aldeias vizinhas e está chegando a quarta. Três igrejas já foram plantadas. "Eu jamais conseguiria evangelizar todas as 147 aldeias em cinco meses. Por isso temos que treinar os crentes para chegar onde não chegamos", revela Ray Aker.


Fonte:  CPAD News
-  http://cpadnews.com.br/integra.php?s=12&i=5259




Blog de editora curitibana é um dos mais visitados do Brasil

Os blogs dos personagens infantis Smilingüido, Faniquita e Turminha Querubim, todos da Editora Luz e Vida, estão entre os 100 blogs mais populares do Brasil, na categoria "variedades" do Prêmio Top Blog 2010. O resultado parcial já aponta o blog do Smilingüido e da Faniquita entre os 30 mais votados, chamados de TOP30. No segundo turno do prêmio Top Blog 2010 serão escolhidos os três melhores. A votação vai até o dia 10 de novembro.

 
    Se os blogs ficarem entre os três melhores do país, a Editora sorteará alguns prêmios. Para o blog do Smilingüido serão sorteadas dez canecas exclusivas dos 30 anos do personagem (completados nesse ano), um DVD “História de Formiga” e um “História de Formiga 2”. Se o blog da Faniquita vencer serão sorteados três quebra-cabeças e duas nécessaires. Caso o blog da Turminha Querubim obtiver mais votos serão sorteados três musicais “A arca sonora de Noé”.
 
    Os blogs da Editora Luz e Vida têm um histórico de vencedores. Na última edição de 2009, o blog do Smilingüido ganhou o primeiro lugar como o mais popular do Brasil e o da Faniquita foi escolhido na primeira fase como um dos 100 mais populares do país.
 
Sobre o prêmio
 
    O prêmio surgiu como incentivo cultural para reconhecer os blogs brasileiros mais populares. Os vencedores são eleitos por meio de votação popular e acadêmica. Os blogs participantes precisam se encaixar em uma das 12 categorias: celebridades, cultura, comunicação, esportes, games, humor, música, política, saúde, sustentabilidade, tecnologia e variedades.
 
    Conheça blog do Smilinguido. Clique


Fonte:
Creio  -  http://www.creio.com.br/

MALAFAIA DESMENTE FALSO EMAIL

Silas Malafaia desmente suposto arrependimento por apoio a Serra


Mais um capítulo esquenta a novela das eleições 2010 na corrida de Serra e Dilma à Presidência da República, e novamente a confusão é em torno no Pastor Silas Malafaia. Após declarar apoio oficial à Marina Silva e num pulo migrar para o candidato tucano, o líder da Vitória em Cristo se diz vítima de mentiras vinculadas na internet.
 
Segundo Silas, uma conta falsa de e-mail teria sido criada em seu nome, dizendo arrepender-se de apoiar o PSDB no 2º turno. Em resposta, o pastor enviou e-mail de alerta à imprensa e pessoas ligadas ao partido sob o título ‘ Nunca vi baixaria tão grande’.
 
No e-mail, Malafaia diz: “Nunca vi uma baixaria tão grande como esta! Não tenho paixão política. Não sou filiado a nenhum partido político. Não satanizo nenhum partido nem candidatos. A minha postura tem a ver com meu direito de cidadania e por eu acompanhar o que o PT tem defendido nesses últimos quatro anos”.

Fonte: Creio  -  http://www.creio.com.br/

Comandando o Flamengo, Luxemburgo barra cultos evangélicos no clube


Desde que chegou ao Flamengo, Vanderlei Luxemburgo mudou o time, testou jogadores, conseguiu duas vitórias e dois empates e fez uma barração religiosa: o técnico suspendeu os cultos evangélicos que eram realizados nas vésperas dos jogos no Rio, quando o Pastor Fernando, da comunidade evangélica Até Aqui Nos Ajudou o Senhor, fazia uma roda de oração com palavras motivacionais no hotel que serve de concentração para o time. Com isso, o encontro agora acontece numa igreja e com o auxílio da tecnologia, com mensagens de texto de celular e através da internet.

 
    "Quando muda o técnico, os jogadores pedem autorização. O Diego (Maurício) chegou a falar com o Isaías (supervisor de futebol)... O Vanderlei disse que liberando a presença de um pastor, daqui a pouco vão querer levar pai de santo, padre... Eu entendi, ele foi coerente, quis organizar", afirma o pastor Fernando.
 
    O veto acontece justamente no momento em que mais jogadores passaram a buscar conforto e apoio nas palavras de Deus e conversas motivacionais. Juan e Correa são os novos integrantes do grupo, que já contava com Marcelo Lomba, Diego Maurício, Diogo, Paulo Vitor, Deivid e Val Baiano, entre outros. Na base da fé e da confiança que ganhou de Luxemburgo, Val Baiano fez gols e desencantou.
 
    "Os encontros estão acontecendo na igreja. Depois do culto, reservo um momento em separado para os jogadores do Flamengo, com orações e conversa", afirma o pastor.
 
    Apesar da proibição de Luxemburgo, o religioso não cria polêmica e elogia o treinador rubro-negro. "Ele é o cara, um fera, técnico de verdade mesmo", afirma Fernando.
 
    Além dos encontros na igreja, o pastor troca mensagens pela internet e SMS de celulares com os jogadores. "Às vezes, quando eles estão no ônibus da delegação indo para o jogo, mandam um SMS dizendo que estão com Deus", destaca o pastor.
 
    Os jogadores que buscam forças na palavra evangélica costumam escrever mensagens religiosas no Twitter para propagar sua fé. Mas o pastor Fernando faz um alerta. "Digo que não tem essa de Deus faz tudo... os jogadores têm que fazer a parte deles", ressalta.


Fonte:
Creio  -  
http://www.creio.com.br/